Notícias

Entenda os reparos submersos da ponte Hercílio Luz

Muitas pessoas se perguntam como são feitas as estacas dentro da água para sustentar uma ponte. Esse momento da construção é uma verdadeira arte que o homem conseguiu dominar para superar mais este obstáculo da engenharia. Hoje você vai entender um pouco mais sobre os trabalhos complexos na construção e restauração da Ponte Hercílio Luz, que será reaberta no ano que vem.

A complexidade de se construir uma ponte

A construção de uma ponte como a #NossaHercílioLuz envolve técnicas complexas para garantir a segurança e a funcionalidade do projeto. Os engenheiros têm que considerar todos os tipos de fatores, além da definição do tipo da ponte, que se baseia na localização e na carga necessária.

 

O lugar em que uma ponte está sendo construída também é um fator extremamente importante. É necessário analisar se o terreno é firme o suficiente para receber as fundações das torres, se é possível fazer um alicerce bem sólido para os cabos de suspensão serem ancorados. Se a ponte passa pela água, também é preciso saber como evitar que ela seja arrastada pelo curso de um rio ou pela maré. São todos fatores fundamentais para determinar a estrutura do equipamento público.

 

 

 

 

As fundações para a construção da ponte Hercílio Luz

A técnica mais comum utilizada em projetos de pontes pênseis é o uso dos chamados tubulões. Essas peças nada mais são do que tubos cujas pontas são cravadas no fundo mar, e a água do seu interior drenada. Durante as primeiras etapas de construção da Ponte Hercílio Luz, foram executadas todas as fundações de concreto que fazem parte da infraestrutura.

 

Vale lembrar que os quatro blocos de fundação das duas torres principais, denominados pilones, encontram-se parcialmente submersos. Esse é um grande desafio que acompanha a ponte até os dias de hoje, com a sua restauração.

 

 

 

 

Os trabalhos submersos para a restauração da ponte Hercílio Luz

Os trabalhos de restauração da Ponte Hercílio Luz exigem uma precisão praticamente artesanal. Tudo é reparado e substituído manualmente e raras vezes com suporte de alguma tecnologia moderna. Um dos principais desafios foi garantir o posicionamento ideal das estacas de sustentação provisória, visto que o fundo do canal apresenta variações na geologia e visibilidade nula. Por isso, foi necessário contratar empresas especializadas em inspeções e trabalhos subaquáticos, trazendo mergulhadores equipados com máscaras de oxigênio e câmeras especiais.

 

 

 

Os trabalhos duraram alguns meses e foram monitorados. Um equipamento filmava os mergulhadores executando os trabalhos no fundo do mar, permitindo o completo acompanhamento das ações que eram realizadas a cerca de 30 metros de profundidade Os mergulhadores foram responsáveis pela medição, marcação, colocação e aparafusamento dos tubos de aço, que foram cruzados nas estacas para não haver movimentação durante a passagem de correnteza.

 

 

 

 

 

 

Conhecido como contraventamento, esse trabalho encontrou diversas dificuldades: condições do mar, do vento e da corrente, além de muitas redes e sujeira no local. Só após o contraventamento é que foi possível iniciar a instalação da estrutura espacial de sustentação provisória. Os cones erguidos fora da água são ligados por treliças metálicas e responsáveis pela segurança da ponte durante a transferência de carga.

 

Para construir essas torres de suporte, os mergulhadores só podiam permanecer poucos minutos submersos para aparafusamento e contraventamento no fundo do mar com precisão milimétrica, sob o risco dos ângulos não se encaixarem. Os trabalhos submersos foram realizados em caráter de emergência, pois havia a necessidade de garantir a restauração sem risco de colapso de alguma parte da estrutura.

 

 

 

Andamento da restauração da ponte Hercílio Luz

A restauração da Ponte Hercílio Luz é, atualmente, uma das obras de engenharia mais complexas no mundo. Após a recuperação, a Ponte Hercílio Luz estará preparada para receber novamente a passagem de veículos, bicicletas e pedestres, melhorando muito a mobilidade na região da Grande Florianópolis.

 

 

 

 

A expectativa é de que a ponte possa receber mais de 30 mil veículos por dia, também podendo ser utilizada como um importante espaço público de convivência.

 

Acesse nossa página e fique por dentro de todas as informações sobre as obras de restauração da Ponte Hercílio Luz, além de curiosidades a respeito de Florianópolis e do maior símbolo de Santa Catarina.

 

 

Outras notícias

Compartilhar Pagina